Raças

  Psicologia e uso do cão

  Dicionário da linguagem canina

  Dicas de como socializar seu cão

  Fotos

 


animais.noradar.com
rottweiler.noradar.com
airedaleterrier.noradar.com

 

 

 

 

Linguagem Canina

Por linguagem canina entende-se um sistema  qualquer de  sinais  vocais, táteis, olfativos, visuais, sonoros, e assim por diante,  com o  qual um  ser  consegue  comunicar  a  outros seu   estado  psicológico.  Para  o  cão  pode-se   falar  de  uma  linguagem  baseada  em atitudes,    sons,   odores,   gestos,   cujo   significado   muitas    pessoas    desconhecem totalmente.  Dessa   compreensão   depende   o  êxito  do   adestramento  para  qualquer  finalidade: caça,  guarda, defesa,  procura, esporte,  espetáculo,  companhia,  e assim por diante. Se   o   dono   ou   adestrador   não  conhecem  a    linguagem   canina,   ou  não  a compreendem totalmente,  a  interpretam  mal,  seus  cães - por  natureza  sociáveis - vão sentir-se presos numa sociedade incompreensível, não podendo nunca estar felizes nem serem   úteis.  Tornar-se-ão  animais   infelizes   por   causa de   donos  ou   adestradores incapazes:   o   cão   incompreendido   fica   ansioso,   psicologicamente   desequilibrado, inútil todo o tempo. 

A Ameaça e a Luta

A mímica da ameaça começa pela cauda, que se ergue reta, parada, como um mastro de bandeira.  Ao  mesmo tempo,  os  membros  parecem enrijecer-se  nas  articulações e os curtos movimentos são quase  coibidos.  O  cão  em  atitude  de  ameaça  parece  querer mostrar-se maior do que é de fato é, mais corpulento,  mais  alto: eleva    o  tronco,  eriça  os pelos da nuca e do dorso. Se  a  ameaça  é contra  outro  cão,  os  olhos  ficam  fixos,  a expressão torna-se dura e áspera. Imóveis o s   dois  adversários  empenham-se  numa prova de força psíquica, freqüentemente, a essa altura um dos dois se retrai, não resiste   e renuncia à luta.

Anogenital

O homem, cujo sentido sentido principal é a visão. fita seus  semelhantes   na zona mais expressiva mais expressiva, o rosto. O cão, cujo sentido principal é o olfato,  cheira seus semelhantes nas partes mais expressivas, ou seja, a  zona anogenital.  Ali se  encontram glândulas cutâneas que secretam substâncias odorosas  de grande interesse para o cão, que estabelece  ( como nós olhando a fisionomia de outro ser humano )  o sexo  do outro cão, sua idade, suas  condições de saúde  e de  ânimo. Além disso,  o ato   de  cheirar  é indicativo da  posição  hierárquica. O macho  de  grau  superior  tem  direito  à  verificação anogenital de todos os machos inferiores, das fêmeas e dos jovens.

Arfagem

Assim  como homem sua para manter constante a temperatura  do corporal, o  cão arfa para eliminar  excesso de calor interno, já que não tem glândulas sudoríparas (nele elas só existem na planta dos pés). Por esse motivo o cão,  para seguir   um semelhante em determinado caminho, tem o hábito natural de procurar no solo a pista deixada pelo suor dos pés.

 Audição

Depois do olfato, a audição e o principal sentido canino. Daí decorre uma mobilidade das orelhas   que,   freqüentemente,   indica  sentimentos   e  que,   portanto,   pode  facilitar a compreensão da linguagem do cão.

Brincadeiras

Em todas fases da vida o cão é brincalhão, brincando,o  cão adulto  libera seus impulsos freqüentemente contidos na convivência com o homem.

Cauda

Nas diversas raças, a cauda assume  variedades,  formas e tipos. A  cauda  nos  informa vários estados psicológicos do cão por ex: se o  cão está com a cauda  entre as  pernas, ele está amedrontado, se o cão balança a cauda para você, significa que ele é  amigável.

Voltar